quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A importância do Fogo na vida do homem no Paleolítico



O domínio do fogo, pelo Homo Erectus,foi determinante para a libertação do homem em relação à natureza e aos outros animais. O fogo humanizou o próprio homem primitivo e dotou-o de sentimentos, possibilitando-lhe - por consequência - a sua própria socialização.
De facto, o fogo transformou a vida do homem, permitindo-lhe o aquecimento e a iluminação das cavernas, garantindo-lhe a defesa pessoal, face aos animais ferozes, que fogem do fogo.
Na alimentação, ao cozinhar os alimentos, estes tornam-se mais saudáveis, macios e agradáveis, facto que viria a repercutir-se na estrutura dos maxilares, que se tornam menos proeminentes.
O fogo possibilitou trabalhar com maior precisão os objectos que o homem fabricava. Moldando-os com o fogo, obtinha formas mais diferenciadas e resistentes.
Por último, o fogo foi decisivo para o convívio à volta da fogueira entre os elementos do grupo, tornando-os mais unidos. A linguagem, por consequência, desenvolve-se e os laços sentimentais reforçam-se, dando origem às primeiras famílias. A sexualidade humaniza-se, isto é, a disponibilidade sexual entre o homem e a mulher é para toda a vida e estabelecem-se laços de afectividade e de sentimento entre o homem e a mulher, que constituirão um núcleo social importante para a protecção dos filhos indefesos e o reforço da relações sociais.

Um comentário:

Tudo sobre a história disse...

voces podiam melhoram um pouco mais
mais voces estao de parabens